Noticias & Eventos

Novidades, Dicas e Cursos para você se manter por dentro da saudável culinária de pescados e frutos do mar.

Como manter a energia no Carnaval

O Carnaval está aí. É tempo de alegria e brincadeira, tanto para quem vai sambar na avenida, como para aqueles que preferem se divertir nos blocos de rua, nos trios elétricos e nos salões. Apesar de ser um momento de descontração, um descuido, principalmente com a alimentação pode acabar com a festa.

Para não cair na armadilha da má alimentação e ter que parar a brincadeira por causa de uma infecção intestinal, uma desidratação, indisposição e até uma ressaca, algumas recomendações simples podem ajudar. Pode até parecer exagero, mas uma boa alimentação nesse período, que é quase uma maratona para alguns, faz toda a diferença para não perder o pique na folia.

Por isso, conversamos com a Nutricionista Esportiva e Coach, Luciana Sampaio, que traz algumas dicas valiosas para você curtir o carnaval de forma saudável e com bastante energia.

O que não pode faltar no café da manhã, almoço e jantar de quem vai cair na folia?

Café da manhã caprichado! A dica é ingerir pão ou cereal integral, acompanhado de mel e ovos mexidos, frutas da época e, para beber, suco natural e água de coco. Cuidar da alimentação se torna imprescindível para garantir energia durante o carnaval.

Na hora do almoço e do jantar que antecedem a festa, é recomendado optar uma refeição mais leve, sem frituras, molhos e alimentos gordurosos. Frango ou peixe acompanhado de uma salada é a melhor opção. Para aumentar a energia, adicione carboidratos ao prato, como batata doce.

Outra dica muito importante é que, durante os quatro dias de folia, as pessoas perdem líquido e gastam muita energia por causa do calor e da atividade física intensa (danças e longas caminhadas para acompanhar os trios e blocos). Por conta disso, a regra básica é tomar muito líquido e manter o corpo hidratado com água, sucos de frutas e água de coco. Para aqueles que não dispensam bebidas alcoólicas, o ideal é intercalar um suco ou uma garrafinha de água entre um copo e outro, e evitar estômago vazio, comendo a cada três horas pequenas porções.

Quais alimentos devem ser evitados neste período de carnaval e por quê?

Alimentos gordurosos devem ser evitados, pois além de muito calóricos, têm uma digestão lenta e difícil. Portanto, se quiser manter longe a indisposição e o cansaço, evite carnes gordas, frituras, salgadinhos e doces calóricos. Além disso, eles podem gerar sensação de estufamento, preguiça, sonolência e desconforto após a ingestão. O açúcar dos doces também fermenta no intestino, podendo causar gases.

Quais seriam as melhores opções de lanches saudáveis e fáceis de carregar na bolsa?

Para garantir o pique, a alimentação deve ser à base de carboidratos, preferencialmente os integrais, como: pães, massas, arroz, aveia, batata doce, mandioca, grãos (feijão, lentilha, milho, etc), pois esses alimentos fornecem energia e resistência ao corpo.

Para petiscar, dê preferência às castanhas, frutas secas, sementes de abóbora ou girassol, torradas sem sal e salgados assados. Prefira uma alimentação leve e com boas fontes de carboidratos, combinadas com frango ou peixes, legumes e verduras.

As barras de cereais são uma boa pedida, pois são práticas. Quem for levar o próprio lanche, atenção: o sanduíche natural e os itens recheados de molhos, maioneses e frios não são recomendados, pois estragam muito rápido. Também fique longe dos lanches produzidos por locais de procedência duvidosa.

Quais são os cuidados que se deve ter na hora de buscar a praticidade dos alimentos vendidos nas ruas?

As ofertas desses alimentos vêm diretamente até nós pelas mãos de vendedores ambulantes, em alguns casos sem higienização pessoal e manipulação dos alimentos corretas e, na maioria das vezes, sem fiscalização da vigilância sanitária. Neste caso, é muito importante lembrar que comer na rua é um perigo.

É preciso aumentar os cuidados quando for necessário comer fora de casa. Esses alimentos podem causar intoxicação e infecções intestinais (moderadas ou graves, com sintomas de vômitos, diarreia, dores de cabeça, dores abdominais e febre). Caso tenha esses sintomas, procure imediatamente um médico.

Abaixo, algumas dicas importantes para não correr esses riscos:

Preste atenção no ambiente onde está sendo feita a refeição: higiene, conservação e manipulação dos alimentos;

Evite o uso de maionese caseira ou alimentos que foram preparados com maionese, pois são pratos que se deterioram rapidamente;

Evite os alimentos preparados há mais de seis horas e que ficam expostos, esperando para serem consumidos;

Carnes desfiadas e cortadas merecem atenção redobrada, pois podem ser sobras de outros pratos;

Os fast-food não escapam. Devolva o hambúrguer se ele estiver mal passado ou se não estiver com o sabor característico do produto. Neste caso, não insista em ingeri-lo, pois a carne pode ter bactérias e causar intoxicação;

Um ambiente fora da temperatura ideal e o preparo incorreto facilita o crescimento de bactérias, tornando-os impróprios para o consumo.

Outra dica muito importante é com relação ao álcool!

Para aliviar o excesso de álcool no fígado, manter a hidratação é o primeiro passo para quem exagerou. Além disso, siga uma alimentação saudável e desintoxicante, rica em frutas como melão, melancia, maçã, pera, kiwi, abacaxi ou banana, folhas verdes, verduras cruas, carnes brancas (frango e peixes) e carboidratos integrais, evitando o consumo excessivo de laticínios, gorduras, frituras e carne vermelha.


Fonte: Leve Pra Vida - www.levepravida.com.br/